Armas

Movimentos de Libertação - Armamentos

Armas dos Movimentos

Os movimentos de libertação utilizaram armamento e equipamento de diversas proveniências, mas a grande maioria do seu material de guerra tinha origem em países do bloco socialista. A URSS e os seus aliados foram os principais fornecedores das forças de guerrilha. Os tipos de armas individuais e colectivas, ligeiras ou pesadas, eram os mesmos, embora por vezes de modelos mais antigos do que aqueles que equipavam os respectivos países, incluindo a China. Ao longo da guerra, e sobretudo no seu início, surgiram armas e minas de países ocidentais, nomeadamente pistolas-metralhadoras Thompson, minas italianas e inglesas e metralhadoras alemãs, sendo algumas destas armas também utilizadas pelas tropas portuguesas.

Os movimentos de libertação, apesar de algumas dificuldades em armar e equipar as suas forças, dispuseram, de modo geral, de armas mais adequadas à guerra do que os soldados portugueses.
Neste campo, como no da organização, instrução e capacidade para combater, o PAIGC foi o movimento que dispôs de melhor e mais moderno material, cobrindo toda a panóplia de meios, desde o armamento ligeiro para a infantaria aos morteiros, lançadores de foguetes e obuses de artilharia, armas antiaéreas, incluindo mísseis, e viaturas blindadas, que utilizou no início de 1974, no Sul da Guiné, no ataque à guarnição de Bedanda. Estava prestes a dispor de aviões, contando já com os respectivos pilotos.
A Frelimo também evoluiu rapidamente na capacidade para operar armas mais eficazes e em grande quantidade, preparando-se para o emprego de mísseis antiaéreos em 1974, tendo já elevada capacidade para usar minas.
O MPLA, por sua vez, após vários anos de grandes dificuldades de acesso a fornecimentos de material, que reflectia a indefinição dos seus apoios políticos, melhorou rapidamente o potencial militar a partir da instalação na Zâmbia, o que lhe permitiu obter a hegemonia no Leste de Angola.
A FNLA recebeu sempre o apoio do Congo-Zaire e do seu exército, mas empregou as suas capacidades, prioritariamente, no combate ao MPLA e em disputas internas, enquanto a UNITA se defrontou com carências de toda a ordem, sendo o movimento mais fracamente armado.

Algumas das armas mais utilizadas pelos movimentos de libertação:

– Pistolas
– Espingardas de repetição
– Espingardas semiautomáticas
– Espingardas automáticas
– Pistolas-metralhadoras
– Metralhadoras ligeiras
– Metralhadoras pesadas
– Armas antiaéreas
– Armas anticarro
– Armas de apoio (morteiros) / (foguetões)
– Granadas de mão
– Equipamento individual
– Material de transmissões
– Minas e explosivos
– Viaturas de combate

Arquivos Históricos

Lugares de Abril

Curso História Contemporânea

Roteiro Didático e Pedagógico

Base Dados Históricos

Site A25A

Centro de Documentação

Arquivo RTP

Cadernos 25 Abril

Filmes e Documentários

Arquivos Históricos

© 2020 – Associação 25 de Abril