08/08/1972 -

Aníbal São José Lopes passa a coordenar as operações da DGS em Angola e Moçambique.

Na última reestruturação da PIDE/DGS, a direcção ficou constituída por um director-geral, Silva Pais, por um subdirector-geral, Barbieri Cardoso, e por dois inspectores superiores, um para o continente, Coelho Dias, e outro para a colónias, São José Lopes.

São José Lopes pertencia ainda ao Conselho da Direcção-Geral, o órgão mais elevado da organização.

A organização da PIDE/DGS nas colónias

A organização articulava-se com a divisão militar do território.

Delegação de Angola

A delegação de Angola, com sede em Luanda, tinha nove subdelegações e cerca de 40 postos espalhados por todo o território e era a maior organização da DGS em África.

Subdelegações

Sector de Cabinda – Cabinda; Zona Militar Norte – Malange; Zona Militar Centro; Lobito; Nova Lisboa; Zona Militar Leste; Silva Porto; Teixeira de Sousa; Zona Militar Sul; Moçâmedes; Sá da Bandeira; Serpa Pinto

Delegação de Moçambique

A sede da delegação era em Lourenço Marques, embora a guerra se desenrolasse no Norte (Niassa e Cabo Delgado) e, posteriormente, na zona Centro (Tete e Beira). Em Moçambique existiam sete subdelegações e cerca de 15 postos. A subdelegação da Beira apoiava as brigadas externas da PIDE/DGS na Zâmbia, Rodésia e Malawi e ainda o Gabinete de Ligação ao Comando-Chefe das Forças Armadas.

Subdelegações

NORTE

– Nampula; – Vila Cabral; – Porto Amélia; – Quelimane

CENTRO

– Beira; – Tete

SUL

-Inhambane

Delegação da Guiné

Na Guiné a delegação tinha a sede em Bissau e era a mais dependente do Comando-Chefe de todas as organizações da PIDE/DGS.

Subdelegações

– Cacheu; – Teixeira Pinto; – Bula; – Mansoa; – Bafatá; – Nova Lamego