1962 - Optar pela guerra

10 DE JUNHO

O DIA DAS CONDECORAÇÕES

Bandidos e heróis

Em Março, o regime tinha demitido, à margem do respeito pelas normas da dignidade devida a militares, alguns dos oficias da Índia. Agora incensava os heróis de África. O regime de Salazar, que se servia dos militares e que nunca os conheceu, esquecia-se que eram todos feitos da mesma massa. Que muitos dos que tinham sido abandonados na Índia iriam combater em África, mas que não se esqueceriam das ofensas e do abandono.

Os heróis de África eram iguais aos “cobardes” da Índia. Salazar e o seu regime nunca entenderiam isso.

O “Dia da Raça”

O dia da morte de Camões começou a ser comemorado como feriado nacional em 1925, ainda no tempo da I República. O Estado Novo manteve essa celebração, tendo até utilizado o dia para a inauguração do Estádio Nacional, em 1944. Durante a cerimónia, Salazar proferiu um discurso em que rebaptizou o feriado como “Dia da Raça”, nome que já vinha sendo usado, embora não oficialmente.

Vista geral do Terreiro do Paço em Lisboa, numa cerimónia do 10 de Junho. [DGARQ-TT-Flama]

O “Dia da Raça” é, já em plena Guerra Colonial, aproveitado para condecorar os novos heróis por actos de bravura em combate, os mortos e os feridos.

 

Medalha da Cruz de Guerra. [AHM]

A cerimónia do 10 de Junho de 1963 serviu de padrão às que se viriam a realizar anualmente. Numa tribuna montada no Terreiro do Paço, em frente ao Cais das Colunas, reuniam-se os mais altos dirigentes do regime. Diante deles, formavam as unidades das Forças Armadas. À direita, os estandartes das unidades da Marinha, Exército e Força Aérea, depois uma formatura dos pequenos alunos dos Pupilos do Exército e do Colégio Militar, armados de espingarda, de seguida os cadetes da Escola Naval, de uniforme azul escuro e espada, os cadetes da Academia Militar de cinzento, espada e botas altas, um Batalhão da Marinha, um do Exército, um da Força Aérea e um de Pára-quedistas.

 

O público era mantido sob o olhar da polícia debaixo das arcadas dos ministérios.

A partir das dez e meia da manhã, à medida que chegavam as altas entidades para tomarem o lugar na tribuna, o clarim tocava a sentido.

Salazar era o penúltimo a chegar, antes do Presidente da República, Américo Tomás, de uniforme branco de almirante.

O clarim tocava a apresentar armas e a banda tocava o hino nacional.

De seguida iniciava-se a distribuição das condecorações. Por ordem de importância eram chamados os condecorados para receberem as medalhas de Valor Militar de ouro, prata e cobre, as quatro classes da Cruz de Guerra, as medalhas de Serviços Distintos. Nas primeiras cerimónias o locutor lia os louvores das condecorações que eram atribuídas aos militares ou às suas famílias, quando concedidas a título póstumo.

Depois, as forças em parada desfilavam perante as altas entidades e os condecorados alinhados na tribuna.

Os Pára-quedistas, de camuflado e lenço de seda ao pescoço, encerravam o cortejo militar ao som de marchas militares, subindo a Rua Augusta em direcção ao Rossio.

A partir de 1969 as cerimónias de condecorações de militares no 10 de Junho foram descentralizadas, passando a realizar-se também, além das do Terreiro do Paço, nas sedes das regiões militares e capitais das províncias.

Familiares de militares condecorados a título póstumo. [DGARQ-TT-Flama]

O papel da rádio e da televisão

Medalha de Valor Militar. [AHM]

Os meios de comunicação social desempenhavam um papel importante nestas cerimónias, que eram transmitidas pela rádio e pela televisão.

A RTP passou a ser, desde o início da guerra, um instrumento de manipulação da informação que o regime entendia dever ser fornecida aos portugueses.

Com as preocupações causadas nas famílias pela situação dos seus militares envolvidos nas operações no Norte de Angola e com as dificuldades sentidas pelo Governo para justificar a sua política colonial nas Nações Unidas e junto dos aliados tradicionais, a informação da RTP passou a apresentar reportagens realizadas nos locais em guerra, introduzindo inclusivamente edições especiais sobre os acontecimentos, e, depois, abrindo uma “campanha de auxílio às vítimas do terrorismo”, a qual constituiria um novo e importante elemento do dispositivo instrumental dos telejornais.

As grandes cerimónias serviam de catalisador ideológico e eram aproveitadas para glorificar o Governo.

Segundo Rui Cádima em “Televisão e Ditadura”, no período inicial da Guerra Colonial, este foi o principal tema de abertura dos telejornais, com a designação de “Acontecimentos de Angola”, à frente da agenda do protocolo oficial.

Profissionais da televisão chegaram a ser louvados e condecorados pelos comandos militares e pela administração da RTP.

Gomes de Araújo, ministro da Defesa, impondo uma condecoração. [DGARQ-TT-O Século]

 

Arquivos Históricos

Lugares de Abril

Curso História Contemporânea

Roteiro Didático e Pedagógico

Base Dados Históricos

Site A25A

Centro de Documentação

Arquivo RTP

Cadernos 25 Abril

Filmes e Documentários

Arquivos Históricos

© 2018 – Associação 25 de Abril
We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Cookies settings
Accept
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active
Save settings
Cookies settings