1964 - Três teatros de operações

1964 - Três teatros de operações

Os Acontecimentos

  • 21
      03/1964

    21/03/1964 - 

    Comunicado da PIDE, acusando Humberto Delgado de auxílio aos “grupos terroristas”.

    Estas acusações diziam respeito às conversações que Humberto Delgado manteve, enquanto presidente da FPLN, com dirigentes dos movimentos nacionalistas com quem se reuniu por várias vezes em Argel. Numa declaração de 13 de Outubro de 1961, Amílcar Cabral tinha sido o primeiro dirigente nacionalista a solicitar aos líderes da Oposição portuguesa uma prova de clarividência e a “declararem publicamente e sem equívocos que reconhecem o direito dos nossos povos à autodeterminação e à independência”. Humberto Delgado, o MNI (Movimento Nacional Independente) e a Frente Patriótica de Libertação Nacional (FPLN) clarificaram em 1962 as suas posições acerca das colónias ao declararem que eram favoráveis a abertura imediata de negociações entre o Governo português e os movimentos de libertação africanos no sentido de autogoverno.

    Em 1964, Humberto Delgado e a FPLN entraram novamente em contacto com os movimentos de libertação, reiterando as suas reivindicações. Mas Humberto Delgado e a FPLN eram apenas uma parte da Oposição portuguesa e as relações desta com os movimentos nacionalistas fazem parte duma história complexa que acompanha o momento histórico que se vivia, de uma história pela qual passaram todas as grandes correntes de pensamento, as disputas ideológicas e os alinhamentos estratégicos que caracterizaram as décadas de 50, 60 e 70, os confrontos por interpostos actores da Guerra-Fria, o conflito sino-soviético, as tentativas frustradas de construção de um mundo não alinhado pelas superpotências, as crises que se revelaram insuperáveis do Terceiro Mundo. Foi neste mundo em ebulição que Humberto Delgado acabou por cair, às mãos dos seus inimigos principais – a PIDE.

  • 24
      03/1964

    24/03/1964 - 

    Fim da Operação Tridente, na Guiné, que se desenrolou na região do Como, envolvendo as ilhas do Como, Caiar e Catunco.

    A operação, que sujeitou as forças portuguesas a um enorme esforço e exigiu aos militares grandes sacrifícios, veio a revelar-se de pouco interesse para o prosseguimento da guerra. As ilhas perderam importância para a manobra do PAIGC, que transferiu os seus efectivos para o interior do território e deixou de necessitar delas como base de refúgio. A Operação Tridente, como quase todas as grandes operações realizadas pelas forças convencionais na guerra de guerrilha, revelou-se um mau investimento operacional.

    A operação terminou ao fim de mais de 70 dias por ordem do ministro da Defesa, Gomes de Araújo, que tinha sido encarregue por Salazar de comandarem grandes efectivos em ambiente de guerra real. O encarregado de transmitir a ordem foi o então major Pedro Cardoso, que constatou também a dificuldade em conciliar na Guiné os aspectos civis com os militares e as más relações entre o governador, comandante Vasco Rodrigues, e o comandante-chefe, brigadeiro do Exército Louro de Sousa, que seriam posteriormente substituídos nos seus cargos por Arnaldo Schultz.

  • 04
      1964

    04/1964 - 

    Agostinho Neto, em entrevista à “Rádio Moscovo”, defendeu a realização de um congresso de todas as organizações nacionalistas angolanas, para resolução dos diferendos e constituição de uma frente comum contra Portugal.

  • 04
      1964

    04/1964 - 

    Aproximação à FNLA da facção dissidente do MPLA chefiada por Viriato da Cruz e comunicado do GRAE sobre a aceitação nas suas fileiras da facção dissidente, já separada do movimento desde Julho de 1963.

    Viriato da Cruz, afastado da liderança do MPLA com a chegada de Agostinho Neto a Kinshasa, em Dezembro de 1962, reunira cerca de 50 membros do MPLA, incluindo Matias Miguéis e Manuel Santos Lima, no sentido de disputar a liderança de Neto e levar o MPLA a juntar-se à FNLA/GRAE. Esta tentativa de “golpe” levou a cenas de violência entre os apoiantes de Viriato da Cruz e os que se mantinham fiéis a Agostinho Neto, sendo necessária a intervenção da polícia congolesa.

    A disputa entre Viriato da Cruz e Agostinho Neto tem raízes mais profundas do que as do choque de personalidades ou até as das divergências sobre a questão racial. As raízes das divergências são eminentemente políticas: Viriato da Cruz defendia a autonomia do movimento anticolonial angolano em relação à luta anti-salazarista levada adiante pelo Partido Comunista Português e Agostinho Neto tinha sido um dos estudantes universitários explicitamente citados por Viriato da Cruz como tendo dificuldades em se libertar totalmente de sua parte portuguesa.

    A rivalidade crescente com Agostinho Neto implicava problemas de liderança, mas devia-se, acima de tudo, a questões relacionadas com trajectórias diferenciadas e condicionamentos resultantes de perspectivas opostas quanto ao desenvolvimento da luta pela independência. Foram essas divergências que os levaram a confrontarem-se, mal Agostinho Neto chegou a Kinshasa e ganhou a liderança do MPLA, afastando Viriato da Cruz e conduzindo à saída de outros dirigentes

     

  • 04
      1964

    04/1964 - 

    Comunicado do MPLA, publicado em Brazzaville, sobre as divergências entre os dois principais movimentos nacionalistas angolanos e sobre as dificuldades do MPLA com o Governo do Congo-Léopoldeville, comprometido com o GRAE.

  • 04
      1964

    04/1964 - 

    Conferência Internacional dos Sindicatos Livres em Addis-Abeba, em que esteve presente o vice-presidente do GRAE, Kouneika, sendo aprovada uma resolução que condenou a política colonial portuguesa.

  • 04
      1964

    04/1964 - 

    Crónica do New Statesman, editado em Londres, sobre a situação em Angola, afirmando que “os problemas que Angola defronta são profundos e a longo prazo. Os portugueses, isolados da realidade, descuidados da situação, estão a aplicar a sua solução com a ponta das espingardas”.

  • 04
      1964

    04/1964 - 

    Álvaro Cunhal apresentou o relatório Rumo à Vitória ao Comité Central do PCP, então na clandestinidade.

    O relatório Rumo à Vitória, de Álvaro Cunhal, incluía um capítulo intitulado “Pelo reconhecimento aos povos das colónias portuguesas do direito à independência” que constituiu a base do pensamento e da acção dos comunistas relativamente à questão colonial.

    Em 1969, no início da “primavera marcelista”, já com Salazar fora do poder, o PCP publicou um documento, no qual declara o problema colonial como central na cena política portuguesa. A partir de Janeiro de 1971, quando o esgotamento desta era já perceptível, o PCP assumiu
    posições de maior dureza. O desenvolvimento do combate comunista contra a guerra passou também pela actividade da Frente Patriótica de Libertação Nacional, integrando diversos sectores da Oposição, que incluíam o general Humberto Delgado.

    Em 1970 o PCP criou a Acção Revolucionária Armada, para a luta contra “o fascismo, o colonialismo e o imperialismo”, tomando as instalações militares como alvo e levando a cabo operações de impacto, voltadas directamente “contra a máquina de Guerra Colonialista”.

  • 07
      04/1964

    07/04/1964 - 

    Assinatura de um acordo entre Portugal e a França, oficialmente designado como
    “Acordo para o fornecimento à República Francesa de certas facilidades no arquipélago dos Açores”, mas geralmente designado por Acordo Luso-Francês.

    O que essencialmente o acordo possibilitou foi a construção de uma base francesa na ilha das Flores, conhecida oficialmente como Estação de Telemedidas das Flores e destinada à detecção e estudo de trajectórias de mísseis balísticos de médio alcance disparados a partir do Centro de Ensaios de Landes, em França.

    O anúncio do acordo foi feito por Franco Nogueira, ministro dos Negócios Estrangeiros, confirmando uma trajectória de aproximação entre os dois países, que se acentuaria no futuro. A França intensificará o seu apoio à renovação das Forças Armadas Portuguesas, vendendo a Portugal quatro fragatas e quatro submarinos.

  • 13
      04/1964

    13/04/1964 - 

    Ian Smith torna-se primeiro-ministro da Rodésia do Sul.

Arquivos Históricos

Lugares de Abril

Curso História Contemporânea

Roteiro Didático e Pedagógico

Base Dados Históricos

Site A25A

Centro de Documentação

Arquivo RTP

Cadernos 25 Abril

Filmes e Documentários

Arquivos Históricos

© 2018 – Associação 25 de Abril