1962 - Optar pela Guerra

Antecedentes

Os Acontecimentos

  • 15
      01/1962

    15/01/1962 - 

    Portugal abandona a Assembleia Geral da ONU, em virtude do debate sobre Angola.

  • 23
      01/1962

    23/01/1962 - 

    Início da transmissão do programa de rádio “É Portugal que manda!”, destinado aos prisioneiros portugueses na Índia.

    O programa foi transmitido diariamente durante 90 dias, a partir dos estúdios da Emissora Nacional, até às vésperas do embarque de regresso a Portugal.

    Muitos dos editoriais foram redigidos pessoalmente pelo chefe do Estado-Maior do Exército, general Câmara Pina, em forma de mensagens. Embora o programa fosse ouvido, pelo menos em alguns campos, nem sempre foi bem recebido, pois a notícia que os prisioneiros queriam ouvir era a da sua libertação, e essa só lhes foi dada passados alguns meses.

  • 27
      01/1962

    27/01/1962 - 

    Acordo entre Portugal e a União Indiana, com mediação do Brasil, para o repatriamento de mais de 3000 prisioneiros.

  • 30
      01/1962

    30/01/1962 - 

    Resolução da Assembleia Geral da ONU, reprovando a repressão e acção armada desencadeada por Portugal contra o povo angolano, reafirmando o direito deste à autodeterminação e independência.

  • 01
      02/1962

    01/02/1962 - 

    Criação da Missão de Estudos Económicos do Ultramar.

  • 12
      02/1962

    12/02/1962 - 

    Condenação, no Tribunal Militar de Lisboa, à revelia, dos 26 portugueses participantes no assalto ao Santa Maria, a penas de prisão entre 15 e 22 anos, sendo o jornalista Miguel Urbano Rodrigues absolvido.

  • 16
      02/1962

    16/02/1962 - 

    Decreto-lei n.º 44.190, que reformulou a divisão territorial do Exército.

    Nesta reorganização, e no tocante a Angola, a designação de 3.ª Região Militar foi substituída pela de Região Militar de Angola, sendo esta, por sua vez, subdividida em cinco Comandos Territoriais – Cabinda (sede em Cabinda), Norte (Carmona), Centro (Nova Lisboa), Sul (Sá da Bandeira) e Leste (Luso). De forma análoga, a agora designada Região Militar de Moçambique ficava subdividida em três Comandos Territoriais – Norte (Nampula), Centro (Beira) e Sul (Lourenço Marques).

    Os responsáveis dos Comandos Territoriais eram oficiais-generais com a patente de brigadeiro, tendo sob as suas ordens as diversas unidades de escalão batalhão (unidades da guarnição da província e unidades de reforço, vindas da Metrópole) e as companhias e pelotões independentes que desempenhavam missões operacionais e administrativo-
    -logísticas.

    Cabo de Caçadores Pára-quedistas. [Livro Modern African Wars]

  • 18
      03/1962

    18/03/1962 - 

    Acordos de Evian para o fim da guerra da Argélia.

    As negociações para se resolver o conflito franco-argelino conduziram aos acordos de Evian entre o ministro francês dos Negócios Argelinos, Louis Joxe, e o ministro dos Negócios Estrangeiros do “Governo Provisório da República da Argélia”, Krim Belkacem, assinados a 18 de Março de 1962.

    Os acordos reconheciam a soberania do Estado argelino e colocavam um fim a oito anos de guerra e a mais de um século de presença francesa na Argélia.

    O cessar-fogo foi marcado para o dia seguinte, ao meio-dia e a França comprometia-se a evacuar as suas tropas progressivamente e a manter a ajuda económica durante três anos. Obtinha também garantias sobre o petróleo
    descoberto ou a descobrir, beneficiando ainda de um direito de preferência.

    Apesar da assinatura dos acordos, a violência continuou até ao dia 5 de Julho, data da proclamação solene da independência da Argélia.

    Formatura de militares com uniforme de cotim e com espingarda Mauser. [JE]

Arquivos Históricos

Lugares de Abril

Curso História Contemporânea

Roteiro Didático e Pedagógico

Base Dados Históricos

Site A25A

Centro de Documentação

Arquivo RTP

Cadernos 25 Abril

Filmes e Documentários

Arquivos Históricos

© 2018 – Associação 25 de Abril