1967 - África para sempre: Cahora Bassa

1967 - África para sempre: Cahora Bassa

Os Acontecimentos

  • 09
      09/1967

    09/09/1967 - 

    Agravamento da situação militar na Zona de Intervenção Leste (ZIL) em Angola no ano de 1967.

    A ZIL incluía os sectores de Henrique de Carvalho, do Luso, do Cazombo e de Gago Coutinho. Fazia fronteira a norte com o Congo (Leopoldville), a leste com a Zâmbia e a sul com a África do Sul/Namíbia.

    A avaliação que os militares portugueses faziam no relatório periódico (Perintrep) de 9 de Setembro era a seguinte:

    “Nesta zona, onde a actividade do inimigo em 1965 foi nula, asituação deteriorou-se com a entrada de cinco destacamentos do MPLA (cada um com cerca de 70 a
    80 elementos bem instruídos, com bom armamento e bastantes munições) e ainda com a infiltração de elementos da UNITA (…) Em 1966 o número de acções de fogo foi de 86 e o número de baixas (mortos e feridos) foi de 151 (das nossas tropas e civis).

    Durante o ano de 1967, até à data, o número de acções de fogo já excede os 150, sendo quase todas da iniciativa do inimigo e o número de baixas é superior a 200. Verifica-se, portanto, um crescente agravamento da situação da ZIL, onde o inimigo estende a sua acção a todo o distrito do Moxico, à faixa Sul do distrito da Lunda e às faixas Este e SE dos distrito do Cuando-Cubango…”.

  • 09
      09/1967

    09/09/1967 - 

    Ameaça de comerciantes e agricultores de café do Norte de Angola de abandonarem a área depois da colheita.

    Os comerciantes e agricultores da zona de Bolongongo, no Norte de Angola, ameaçaram as autoridades portuguesas de abandonarem a actividade se não lhes fosse
    garantida a segurança.

    Esta ameaça surgiu na sequência de uma flagelação feita por dois elementos armados que dispararam contra trabalhadores da Fazenda Cuílo, sem consequências, e que mais tarde atacaram uma viatura daquela fazenda, causando um ferido.

    As autoridades portuguesas consideraram esta atitude dos comerciantes da região exagerada e inconveniente e uma forma de exercerem pressão para lhes ser dada protecção permanente, ou “carta branca para procederem a retaliações e outras atitudes” que aliás já tinham proposto publicamente.

    O ministro da Defesa interessou-se pelo assunto e a resposta do Comando-Chefe de Angola foi informar que, após o ataque sofrido, a primeira reacção da população foi a de fazer justiça pelas próprias mãos e, de seguida, aproveitando-se da situação, os comerciantes pretenderam apoderar-se do café das lavras dos africanos para se pagarem das dívidas dos indivíduos fugidos para as matas.

    “Semelhantes atitudes foram contrariadas pelas autoridades militares o que, como é óbvio, não agradou e provocou hostilidades”.

  • 10
      09/1967

    10/09/1967 - 

    Início das operações regulares da FRELIMO na zona de Tete, na região de Macanga.

     

  • 13
      09/1967

    13/09/1967 - 

    Proposta do Sudão para repatriar os mercenários do Catanga.

    Durante a reunião da OUA o Sudão fez uma proposta para resolver o problema dos mercenários de Schramme de modo a permitir que abandonassem o Catanga. Deviam aceitar serem repatriados através de organizações internacionais.

  • 14
      09/1967

    14/09/1967 - 

    Memorando do chefe de Estado-Maior do Exército, general Câmara Pina, às autoridades militares da África do Sul, enumerando os materiais mais críticos que poderiam materializar o auxílio a Portugal, com fundamento no facto de estar Portugal “indiscutivelmente” a “pôr um dique ao alastramento da subversão para a África do Sul”.

    Este memorando insere-se numa série de encontros e visitas mútuas, que virão a tomar corpo institucional a partir de 1970, com a aprovação do “Exercício Alcora”. A partir de 1968, a África do Sul aumentou o seu empenho em Angola, em especial através de acções de apoio da sua Força Aérea, mas só depois de 1970 as reuniões de planeamento passaram a ter carácter regular. No memorando apontam-se já as necessidades de Portugal, que incluem granadas e minas diversas, viaturas blindadas, viaturas de transporte, postos de rádio e medicamentos.

  • 19
      09/1967

    19/09/1967 - 

    A Gulf Oil americana anuncia a extracção de petróleo em Cabinda.

    A Cabinda Gulf Oil Company anunciou o começo da produção de um campo petrolífero, no distrito de Cabinda, em Angola, em conferência de imprensa promovida
    no Hotel Ritz. O início da extracção de petróleo pela multinacional americana era um novo factor a considerar na cena angolana. Os interesses da Gulf Oil não deixariam de influenciar os decisores políticos em Washington a favor da continuidade da abstenção americana nas resoluções da ONU contra Portugal e para a mudança de atitude face ao embargo de armamento.

  • 10
      1967

    10/1967 - 

    Abate de um avião T-6, com morte do piloto, com utilização de metralhadoras antiaéreas, pela FRELIMO, na zona de Révia, Sector E.

    O abate deste avião revelou uma assinalável capacidade de combate da FRELIMO, que operava já metralhadoras antiaéreas com elevada eficiência e cujas guarnições antiaéreas eram capazes de suportar o ataque de um avião armado e pilotado por um piloto experiente e treinado, como era o caso do tenente Malaquias.

  • 10
      1967

    10/1967 - 

    Apresamento, em Lagos, Nigéria, de um carregamento de armas destinadas ao Biafra, proveniente de Lisboa.

Arquivos Históricos

Lugares de Abril

Curso História Contemporânea

Roteiro Didático e Pedagógico

Base Dados Históricos

Site A25A

Centro de Documentação

Arquivo RTP

Cadernos 25 Abril

Filmes e Documentários

Arquivos Históricos

© 2018 – Associação 25 de Abril