1967 - África para sempre: Cahora Bassa

1967

Um inquérito esclarecedor

Inquérito aos oficiais

Em Maio de 1967, no final de um dos habituais Estágios de Contra-Insurreição realizados no Centro de Instrução de Operações Especiais de Lamego aos oficiais do Quadro Permanente mobilizados para África, a Secção de Acção Psicológica do Estado-Maior do Exército lançou um inquérito aos 70 participantes, com as patentes de capitão, major e tenente-coronel, como já tinha feito no ano anterior nas Regiões Militares da Metrópole. As perguntas eram as seguintes:

  1. O que pensa do nosso problema ultramarino, da situação actual e da sua evolução?
  2.  Quais os factores que julga afectarem mais o moral das tropas?
  3. Tem alguma ideia sobre qualquer espécie de medidas a adoptar, relativas ao nosso problema ultramarino, que julgue úteis ver aplicadas?
  4. Que ideia tem da Acção Psicológica em geral?

A guerra tinha começado havia seis anos em Angola, quatro na Guiné e três  em Moçambique, alguns destes oficiais iam para a sua primeira comissão, outros para a segunda, o que permitia obter a opinião dos que conheciam a situação de forma indirecta e de forma directa.

 

Um sentimento de apatia e de rotina

Nas suas respostas, os oficiais estranhavam a apatia com que o problema da guerra era encarado e manifestavam a convicção de que, se não fossem modificados os métodos rotineiros que vinham sendo passivamente aplicados, a derrota era inevitável.

 

Tinham consciência da situação e estavam descrentes

A situação actual é muitíssimo grave.

A situação actual das nossas províncias ultramarinas não é brilhante, havendo uma propensão natural para se agravar. A situação actual é má e a maior parte das pessoas não sabe, ou finge não o saber. A evolução da situação tem piorado e, visto que o tempo trabalha contra nós, não se vê que a situação tenda a melhorar.

Parece que a situação do Ultramar não é a melhor. Nós, militares, vemos a situação piorar, enquanto que a população está, em geral, cada vez mais afastada do problema. Temos a guerra duplamente perdida pois, nas zonas afectadas, o inimigo manterá a população sobre o seu controlo e, na retaguarda, a outra parte da população ou se torna indiferente, ou mesmo hostil…

 

Temiam voltar a ser “bodes expiatórios”

Haverá alguém neste País que, com total consciência, e abstraindo-se de partidarismos, seja capaz de responder a tal pergunta (que pensa do nosso problema ultramarino, da situação actual e da sua evolução?) face aos sistemas que são empregues? Nós, os militares, somos sempre os “bodes expiatórios” de todo o mal…

Não interessa focar agora as causas do nosso problema ultramarino, interessa sim mostrar que pelo caminho que trilhamos, impossível nos é alcançar um objectivo positivo, qualquer que ele seja. (…) A situação vem piorando de ano para ano, porque os nossos políticos resolveram fechar os olhos à realidade, isto é, insistem em vencer pelas armas uma guerra que não se vence assim…

 

A acção armada não resolve o problema

O Ultramar – um problema nacional. É de todos e não apenas de alguns (os militares). E também internacional – a evolução interna em cada província ultramarina está condicionada pela evolução da política mundial e também pela dos países limítrofes. Até hoje apenas se tem reagido à subversão onde ela aparece e pouco ou nada se tem sido feito para a impedir nas regiões ainda não afectadas particularmente. Uma resposta parece resumir o estado de espírito dos militares: “(…) No decorrer do 7º ano de guerra verificamos que não só a Política não obteve êxitos dignos de nota, tanto no campo interno como externo, como ainda as Forças Armadas, em número reduzido e com carências materiais de todos conhecidas, não têm podido, ao longo deste período, manter mais que uma situação que, embora permitindo a vida normal das populações em certas áreas, não resolve de forma alguma o problema de base, que é eliminar os movimentos terroristas. Desta forma, e porque o tempo conta a favor dos elementos da subversão, não se vislumbra que a situação possa evoluir favoravelmente, a manterem-se os actuais condicionamentos político-militares”.

 

Um militar regressado, com a família. Nos primeiros tempos era vulgar os militares trazerem consigo animais tropicais, um costume que foi proibido por razões sanitárias. [DGARQ-TT-O Século]

 

Arquivos Históricos

Lugares de Abril

Curso História Contemporânea

Roteiro Didático e Pedagógico

Base Dados Históricos

Site A25A

Centro de Documentação

Arquivo RTP

Cadernos 25 Abril

Filmes e Documentários

Arquivos Históricos

© 2018 – Associação 25 de Abril