1968 - Continuar o regime e o império

1968 - Continuar o regime e o império

Os Acontecimentos

  • 05
      10/1968

    05/10/1968 - 

    Flagelação do AM 71 (Furancungo), em Moçambique.

    Um grupo de guerrilheiros atacou o aeródromo militar de Furancungo com armas ligeiras. Apesar de não ter tido consequências, o ataque revelou a facilidade de movimentos e a organização da FRELIMO na zona de Tete.

  • 10
      10/1968

    10/10/1968 - 

    Corte de relações entre o Congo-Kinshasa e o Congo-Brazzaville.

    O corte de relações deu-se porque Mobutu mandou matar Pierre Mulele, que tinha sido ministro da Educação no Governo de Lumumba, esteve envolvido na revolta dos simbas e tinha-se exilado no Congo-Brazzaville, sob a protecção de Ngouabi. Regressou a Kinshasa depois de ter sido amnistiado por Mobutu, que o mandou prender quando ele regressou e o mandou assassinar com requintes de crueldade.

  • 11
      10/1968

    11/10/1968 - 

    O Conselho Superior de Defesa Nacional estuda a possibilidade de criação de “unidades profissionais”, com recurso a elementos das Forças Armadas na situação de disponibilidade.

  • 11
      10/1968

    11/10/1968 - 

    Assinatura do contrato de aquisição dos primeiros seis helicópteros SA 330 Puma.

    Os Puma, helicópteros médios de transporte, com capacidade para 20 passageiros, destinavam-se a complementar os Alouette III, que transportavam cinco/seis passageiros e tinham limitações de voo em todo o tempo e de noite.

    Características do helicóptero:

    O Sud-Aviation AS-330 Puma é um helicóptero de transporte médio, designado para transportar 20 passageiros ou 3000 kg de carga. Está dotado com dois motores de turbina Turbomeca Turmo IV-B4, com uma potência de 1400 shp, que lhe garantem uma velocidade máxima de 280 km/h (270 em cruzeiro), com um raio de acção de 559 km.

  • 14
      10/1968

    14/10/1968 - 

    Deserção de três soldados portugueses de Mueda, Moçambique.

    Estes três soldados europeus pertenciam à guarnição de Mueda e desertaram após uma acção de propaganda radiofónica da FRELIMO. Foram conduzidos para a Base Beira (perto do rio Rovuma).

    Os chefes dos departamentos de Defesa e de Segurança da FRELIMO deslocaram-se à Base Beira para os ouvir.

  • 17
      10/1968

    17/10/1968 - 

    O Senegal acusa Portugal, apresentando queixa nas Nações Unidas, de um ataque ao seu território, referindo o uso de morteiros, sobre Yaran, no Casamança.

  • 20
      10/1968

    20/10/1968 - 

    Anúncio da contratação de cem enfermeiras sul-africanas para trabalharem em Moçambique no tratamento de feridos de guerra.

    O jornal The Sunday Tribune, de Joanesburgo, noticiava que uma centena de enfermeiras sul-africanas estavam a ser recrutadas para ajudar os soldados portugueses feridos na guerra.

  • 28
      10/1968

    28/10/1968 - 

    Informação sobre a existência de barcos do PAIGC, em Conacri.

    A 28 de Outubro foram referenciados pela PIDE três embarcações militares do PAIGC no porto de Conacri.

    Estas embarcações eram de origem soviética, equipadas com dois canhões à proa e dois canhões à popa e um morteiro ao centro. Na mesma data foi referenciado o
    regresso de Inocêncio Kanye da União Soviética, onde frequentou um curso de Marinha de Guerra.

    Inocêncio Kanye seria o futuro comandante da Marinha do PAIGC e será um dos conspiradores envolvidos na morte de Amílcar Cabral.

  • 29
      10/1968

    29/10/1968 - 

    Operação Buraco em Cuíto Canavale – Comandos portugueses assaltam quartel da SWAPO.

    Na exploração de uma notícia, forças de Comandos do “Agrupamento Picareta” assaltaram um acampamento da SWAPO causando quatro mortos, fazendo sete prisioneiros e apreendendo espingardas Lee Enfield e Simonov e dois rádios E/R Standard.

  • 30
      10/1968

    30/10/1968 - 

    Início da política de autodefesa das tabancas na Guiné.

    A política de agrupar populações em aldeamentos protegidos representava uma cópia parcial da estratégia americana no Vietname e dos franceses na Argélia e visava
    proteger a população rural dos insurrectos e permitir a sua conquista.

    Na Guiné esta política de auto-defesa, que incluía também a organização de grupos de milícias, teve sucesso no que diz respeito à segurança das populações e aos meios de subsistência.

    Em Dezembro de 1971 havia 341 tabancas organizadas em autodefesa com armamento distribuído e 26 em que os seus elementos colaboravam com as tropas portuguesas, perfazendo um total de 11 163 armas distribuídas à população. De qualquer forma, aquilo que se designava abreviadamente por política de aldeamentos não se aplicava isoladamente e Spínola difundiu diversas directivas destinadas à conquista das populações.

  • 31
      10/1968

    31/10/1968 - 

    O MPLA consolida a actividade na Lunda e a leste do Luso.

    No final do mês de Outubro os analistas militares portugueses consideravam que o MPLA estava em vias de consolidar a sua actividade político-militar na Lunda e na faixa leste do Sector do Luso e de infiltrar uma secção do destacamento BBKO na região de Sautar, através da infiltrante geral do rio Luena-Sandando-rio Cassai, que materializaria a Rota Agostinho Neto.

  • 11
      1968

    11/1968 - 

    Chegada dos primeiros aviões Fiat G-91 à base de Nacala (AB5), Moçambique.

Arquivos Históricos

Lugares de Abril

Curso História Contemporânea

Roteiro Didático e Pedagógico

Base Dados Históricos

Site A25A

Centro de Documentação

Arquivo RTP

Cadernos 25 Abril

Filmes e Documentários

Arquivos Históricos

© 2018 – Associação 25 de Abril