1968 - Continuar o regime e o império

1968
O moral do Exército

A situação

Em Julho de 1968, o Estado-Maior do Exército elaborou um memorando sobre “O moral do Exército”, com conclusões muito pessimistas. O memorando, na sequência de outras informações já produzidas, procura determinar os factores que afectam o moral das tropas, por forma a encontrarem-se soluções. Começando por referir um inquérito de opinião realizado no Instituto de Altos Estudos Militares no ano anterior, realça que, nessa altura, se podia considerar o moral do Exército ainda razoável, “com tendência para baixar rapidamente”, atribuindo os seguintes níveis a esse estado moral: 

  • Oficiais do QP – Fraco
  • Sargentos do QP – Muito fraco
  • Oficiais do QC – Regular
  • Sargentos do QC – Regular
  • Praças – Bom

 

As difíceis condições de vida dos militares portugueses provocaram um grande desgaste físico e moral. [AHM]

 

A consulta de novos relatórios e contactos pessoais levam à conclusão que não existem melhorias na situação. De facto, o memorando aponta sinais inequívocos desse estado de espírito:

a. “Nota-se um aumento de pedidos de exoneração (e de passagem à licença ilimitada)”;

b. “Recebem-se frequentemente informações pessoais do estado de desalento dos quadros”.

c. “Grassa entre os QP uma maledicência sistemática que denota acentuado grau de desmoralização”.

d. “Os relatórios de acção psicológica expõem um situação que poderemos considerar de grave”.

e. “Nota-se, na Guiné, que o inimigo tem ultimamente capturado grupos de militares do Exército relativamente significativos – 11 em Abril e 8 em Maio”.

 

Os factores

O memorando passa depois a enumerar “os factores deste clima psicológico”:

a. “Cansaço físico e psicológico provocado pela luta no Ultramar com sucessivas mobilizações”.

b. “Problema económico, provocado pela situação financeira e faltas de medidas de apoio e protecção aos militares e família”.

c. “Descrença quanto ao êxito da luta no Ultramar, em face do progresso da subversão. Este descrédito parece particularmente sensível entre os capitães do QP”.

d. “Influência do desinteresse de grande parte da população, que dá ideia de desistência, de aceitação tácita da derrota”.

 

O Movimento Nacional Feminino procurou reforçar o moral das tropas através de medidas de cariz social e de bem-estar. [AHM]

 

A análise

Em anexo ao memorando procura-se analisar cada um dos factores indicados, sendo de salientar as explicações relacionadas com a descrença e com o desinteresse da população.

Relativamente à “Descrença quanto ao êxito da luta no Ultramar” é referido da seguinte forma: “Os militares do QP, designadamente os oficiais que denotam uma mentalidade amadurecida pelos sacrifícios e preocupações da guerra e uma elevada noção do cumprimento do dever conscientes e realistas, começam a sentir que os acontecimentos podem seguir um rumo que tornará improfícuo todo o seu esforço.

Tal ideia causa frustração e desânimo, conduz à lassidão e podendo anular todo o entusiasmo, que é fonte de eficiência das forças militares”.

Quanto à “Incompreensão por grande parte da população em relação à luta do Ultramar”, os termos utilizados são os seguintes: “Em muitos dos nossos oficiais do QP há o convencimento de que o seu sacrifício não é reconhecido pela grande massa da população, que se mantém apática e indiferente aos problemas da guerra. Considera-se que este alheamento da população se deve fundamentalmente à falta de informação, ao nível nacional, acerca do que se passa no Ultramar e dos problemas do país em geral. Afastada dos acontecimentos, boa parte da opinião pública condena as Forças Armadas por não compreender em que se consomem tão avultados recursos económicos (…) A guerra é impopular porque a Nação não está mentalizada para ela. Se houver que pedir mais sacrifícios, poderá a Nação não corresponder, por não reconhecer a sua necessidade”.

 

Consequências

Com seis anos de antecipação, estavam apontadas as causas que iriam movimentar os militares para o confronto com o poder político – baixo moral, especialmente entre os capitães, incompreensão da população, impopularidade da guerra. Nem os altos comandos militares nem o poder político demonstraram estar à altura de gerir com sabedoria à situação, após sete anos de operações militares em África, e não pode dizer-se que não tivessem informações da realidade.

 

A dureza do combate e as baixas afectaram progressivamente o moral das tropas portuguesas. [AHM]

Arquivos Históricos

Lugares de Abril

Curso História Contemporânea

Roteiro Didático e Pedagógico

Base Dados Históricos

Site A25A

Centro de Documentação

Arquivo RTP

Cadernos 25 Abril

Filmes e Documentários

Arquivos Históricos

© 2018 – Associação 25 de Abril