06/03/1961 -

Encontro entre o ministro da Defesa, general Botelho Moniz, e o embaixador americano, Elbrick, que, segundo instruções do seu Governo, pressiona a alteração da política portuguesa em África,
posição que o embaixador transmitiu a Salazar no dia seguinte.

Botelho Moniz e Elbrick encontraram-se durante três horas no maior segredo. O embaixador comunicou a Botelho Moniz ter recebido instruções do secretário de Estado, Dean Rusk, para pressionar Salazar a aceitar o princípio da autodeterminação em África.

Botelho Moniz era a face mais visível de um grupo de militares empenhados em provocar uma remodelação do Governo que dilatasse a sua base social, incluindo elementos não comunistas da Oposição e que defendia a autonomia ultramarina no quadro de uma relação de “tipo Commonwealth”, uma solução semelhante à que, 13 anos mais tarde, seria proposta por António de Spínola.